Apan Blumenau volta à elite depois de oito anos

Publicado em: 09/04/2019 20:35
Ialisson em ação no bloqueio pelo Apan Blumenau (Créditos: Divulgação/Anápolis Vôlei)

Finalista da Superliga B masculina de vôlei 2019, o Apan Blumenau (SC) alcançou o primeiro objetivo da temporada: garantir a classificação para a elite da modalidade. Afinal, os dois finalistas estão assegurados na Superliga Cimed 19/20. Agora, já na grande decisão, a equipe catarinense, que não disputa uma edição da Superliga desde 2011, quer mais. O time comandado pelo técnico André Donegá quer o título.

A equipe que representa a cidade de Blumenau enfrenta o Botafogo (RJ) na grande final e a disputa pelo título será no próximo domingo (14.04), no Oscar Zelaya, no Rio de Janeiro (RJ), às 19h, com transmissão ao vivo do canal SporTV 2.

Com um elenco que conta com alguns nomes conhecidos da Superliga, o Apan Blumenau chegou a decisão da Superliga B com atletas como Jameção, Bob, o medalhista olímpico Thiago Alves e o central Ialisson, que vive um momento duplamente especial. Junto com a disputa por um título, a proximidade do nascimento de sua primeira filha, Isadora.

“Corria o risco dela nascer desde a semifinal, mas ela está me esperando”, brincou Ialisson, que, aos 32 anos, é um dos mais experientes do Apan Blumenau. “Estou vindo de uma vivência que valeu muito a pena na Romênia. Cheguei ao time em fevereiro depois de conseguir algo que tinha vontade, que era vivenciar o vôlei na Europa”.

Focado no time catarinense, o central é só elogios ao elenco e comissão técnica. “A equipe estava muito organizada, tinha jogadores experientes que já que estavam contribuindo, como Bob e Jamelão. A comissão técnica é bastante experiente também, com o Andre Donega, Sandro, China e Jonas. Eu cheguei juntamente com Thiago Alves e acho que conseguimos contribuir ainda mais para que o time estivesse preparado para os desafios”, comentou Ialisson.

O jogador ainda fez questão de creditar o sucesso do time a grande contribuição dada pelos torcedores de Blumenau. “O time é bem jovem, mas tem esse equilíbrio com jogadores mais experientes, campeões de Superliga. Além disso, a torcida nos apoiou muito. A cidade gosta do voleibol e esteve em todos jogos nos motivando bastante. O último jogo lotou com mais de três mil pessoas”, destacou Ialisson.

A final, porém, será na casa do adversário. E, sem esse apoio da torcida, o central aponta outras formas de faturar o título.

“Para vencermos, precisamos continuar jogando focados, principalmente no sistema defensivo que vem sendo nosso diferencial. Nossa relação bloqueio/defesa vem funcionando muito bem também. Estamos tocando em muitas bolas e isso desestabiliza a equipe adversária”, concluiu Ialisson.

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro


Parceiros Oficiais